Já pensou em programar? Separamos 10 motivos para você aprender agora

Percebemos que as tecnologias digitais a nossa volta se tornam cada vez mais presentes e relevantes, resolvendo problemas novos e antigos de forma criativa e acessível. Mas já paramos para pensar que sem linhas de código escritas por alguém dando comandos para máquinas, nada disso seria possível?

Por isso, programar é tão importante. Assim, organizamos algumas razões óbvias e inusitadas para se aprofundar no mundo da codificação. As primeiras dizem respeito a um mercado de trabalho aquecido e constante, com inúmeras possibilidades de emprego e crescimento profissional; as demais buscam na programação exercícios capazes de aprimorar o raciocínio lógico e até mesmo a capacidade de colaboração.

Ouvimos especialistas em carreira e tecnologia para saber quais são as principais razões a se levar em conta antes de aprender a programar. Confira os dez motivos e prepare-se!

Razão 1

Na era digital, programação é o novo inglês

A tecnologia é uma presença constante em um mundo digitalmente transformado. Aqueles que desejam nele transitar com mais desenvoltura precisam dominar a linguagem da tecnologia, ou seja, a programação. Não é muito diferente de saber falar inglês com fluência em um mundo globalizado, movimento que experimentamos há algumas décadas.

Como bem lembra Corinne Vigreux, fundadora da Tom Tom e da Codam, “temos que encontrar uma forma para que as crianças de hoje estudem para as profissões do amanhã”. Ela é uma das especialistas que, em coro, pede aulas de programação desde já em escolas, a partir das turmas mais iniciais, tamanha a demanda que teremos por profissionais com essa habilidade.

No Brasil, algumas instituições de ensino, principalmente privadas, já adotam disciplinas de programação e robótica em seus currículos. O objetivo é tanto familiarizar jovens com novas tecnologias como prepará-los para as ditas “profissões do futuro”. No entanto, na maioria das vezes estes são conteúdos opcionais e oferecidos apenas para adolescentes no Ensino Médio, não para crianças em idade de alfabetização.

Razão 2

Até crianças estão programando!

“As crianças estão aflorando muito esse lado [da programação], criando soluções de problemas que realmente existem e usando a tecnologia como recurso”, comenta o professor Allen Oberleitner, coordenador acadêmico do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da FIAP.

A lógica de programação pode ser bastante acessível para crianças, e há um lado lúdico e pedagógico no aprendizado dos códigos. Métodos de ensino podem oferecer, como objetivo, a criação de aplicativos de celular ou games, por exemplo.

Podem ainda servir de base para o ensino de outras disciplinas, como matemática, física, biologia e até língua portuguesa. Este guia, pensado por professores e especialistas, pode ajudar professores e outros interessados a ensinar programação para crianças em idade escolar.

Razão 3

Ajuda a pensar e desenvolver raciocínio lógico

Vale para pessoas de todas as idades: programar é um excelente exercício mental, capaz de desenvolver o raciocínio lógico e matemático de qualquer pessoa, trabalhe ela com tecnologia ou não. Isso é de grande valia para toda profissão atual, pois nunca as soft skills – aquelas que não podem ser aprendidas em cursos acadêmicos – foram tão valorizadas.

“As empresas solicitam candidatos com capacidade de raciocínio lógico, o que ajuda bastante no trabalho em grupos e equipes e na execução de ideias de maneira mais colaborativa”, diz Allen Oberleitner, da FIAP. “Em termos de lógica e criação, vejo uma diferença brutal entre alguém envolvi- do com programação e uma pessoa que nunca a conheceu.”

Isso acontece, explica o professor, pois todas as linguagens de programação possuem “amarrações lógicas”, ou seja, conjuntos de instruções passados para uma máquina, que então executa tarefas. Eles são compostos por padrões que precisam ser seguidos para que os comandos funcionem.

Razão 4

Desenvolve a criatividade e a habilidade de resolver problemas

Essa nova forma de raciocinar dá aos desenvolvedores mais experientes capacidades criativas para resolver problemas. Trata-se de algo vantajoso na hora de analisar e aprimorar o funcionamento de produtos digitais, por exemplo.

Especialistas em recrutamento e seleção veem essa capacidade na prática, mesmo durante as entrevistas profissionais. Vários deles dizem que, ao avaliarem conversas com muitos desenvolvedores experientes, confirmam que esses profissionais encontram soluções para problemas de maneiras bem diferentes.

Razão 5

Estimula a capacidade de superação

Profissionais à primeira vista completamente desconectados da tecnologia também tem encontrado nas linhas de código formas de crescer profissionalmente. Médicos, por exemplo: há cursos de programação e tecnologia voltados só para eles. Análises profundas de dados clínicos podem ser feitas para que um profissional de saúde melhore seus diagnósticos, tratamentos e, consequentemente, a qualidade de vida dos pacientes.

Na área de segurança da informação, por exemplo, a superação profissional é de outra natureza: desmontar o estereótipo do programador que trabalha sozinho, isolado em sua ilha de trabalho, com fone de ouvido e sem conversar com ninguém. Mesmo uma pessoa que não gosta de falar precisa aprender algumas habilidades.

Razão 6

Todo mundo precisa ter um plano B

O entendimento de novas ferramentas de automação pode ser facilitado pelo conhecimento de programação. Alguém que nunca foi apresentado a conceitos de codificação terá dificuldade para utilizar as ferramentas.

Mas nem sempre saber programação evitará uma demissão por conta do alto nível de automação das empresas, é claro. Por isso, especialistas são taxativos ao afirmarem que é fundamental ter um plano B de carreira, não importa a área em que atue.

Há ainda aqueles que optam por levar adiante vários planos de carreira ao mesmo tempo: é o profissional multicarreira, que constrói e desenvolve a vida profissional com alternativas adjacentes à principal. O conceito surge em um cenário no qual habilidades e características pessoais podem importar mais que áreas de estudo ou conhecimento técnico. E a carreira de programador pode ser uma boa alternativa ao seu plano A.

A tendência do profissional multicarreira é apontada por especialistas e impulsionada pela evolução do mercado de trabalho e a transformação digital. Hoje, os modelos tradicionais de trabalho com horário fixo, por exemplo, começam a se tornar mais flexíveis, e experimentar novos modelos, agora, é muito mais fácil. Além disso, é mais conveniente que se tenha uma segunda carreira como carta na manga, dadas as atuais incertezas sobre o futuro do trabalho.

Razão 7

Aumenta sua empregabilidade

A conta é simples: há uma demanda muito maior por programadores qualificados no mercado de trabalho do que profissionais bem preparados disponíveis. Pelas contas da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, a Brasscom, o déficit de será de mais de 400 mil profissionais em 2024, principalmente desenvolvedores mobile, especialistas em computação em nuvem, em Data Analytics, em segurança da informação e em inteligência artificial.

Mesmo com o Brasil em situação econômica complicada, mesmo durante o período mais complicado que já tivemos, desenvolvedores sempre tiveram lugar no mercado de trabalho. As vagas estiveram e estão por aí e sempre foi difícil encontrar profissionais.

Outra conta simples é aquela intrínseca à leia da oferta e da procura: com tanta escassez de profissionais, os bons valerão ouro. Os salários cresceram e assim continuam. Com a promessa de retorno da atividade econômica, e apesar da reação do setor educacional, não há qualquer sinal de que esse cenário vá mudar.

A demanda também cresce para profissionais que não são necessariamente desenvolvedores, mas que se aproveitam da programação para extrair relatórios de inteligência de negócios ou trabalhar grandes bases de dados sem depender dos departamentos de TI. “Quase diariamente empresas nos procuram para indicar talentos. Há vagas que demoram até cinco anos para serem preenchidas”, conta o professor Allen Oberleitner, da FIAP.

O fato é que nunca o mundo precisou tanto de programadores quanto hoje. Um número cada vez maior de sites e aplicativos espalhados pela internet tornou este profissional desejado pelas mais diversas áreas e tipos de negócios. Além de questões como a automação de processos dentro das empresas e a dependência cada vez maior de sistemas integrados para gestão empresarial, a demanda também cresce pelo surgimento de empresas que dependem quase que exclusivamente de aplicativos.

Razão 8

Torna o empreendedorismo uma opção concreta

Medir a demanda por programadores pelo número de vagas anunciadas no LinkedIn é possível, mas um outro bom termômetro é a quantidade destes profissionais que decidem empreender. Eles são capazes de “tirar do papel” produtos e serviços idealizados por startups.

As fintechs por exemplo são praticamente programação e algoritmo. Muito embora a equipe ideal na ideação de um plano de negócios seja multidisciplinar, um produto digital só sai do papel com códigos. Geralmente uma startup cria produtos com tecnologia envolvida. Um aplicativo, por exemplo.

Especialistas lembram que o profissional que deseja ser empreendedor, principalmente no setor de serviços, precisa saber programar. iFood, Rappi, Uber, entre outros aplicativos de sucesso, são exemplos de serviços altamente baseados em tecnologia.

Razão 9

Você pode melhorar ou facilitar a vida das pessoas

Tantas possibilidades trazidas pela capacidade de programar tornam o profissional um sujeito mais autônomo e capaz de encontrar propósito na carreira, seja ela direcionada ou não para o empreendedorismo. O raciocínio lógico e a criatividade, aliados ao ferramental necessário para tirar qualquer ideia do papel, são capazes de dar novos propósitos e levar a melhorias efetivas na vida das pessoas.

Novas soluções tecnológicas em diferentes áreas são capazes de revolucionar o modo como as pessoas se locomovem pela cidade, por exemplo, ou reciclam seu lixo, ou encontram tutores para animais abandonados.

É difícil discordar que a tecnologia mudou nossas vidas de maneira drástica, quase sempre para melhor. Problemas existem, é claro, mas eles não impedem legiões de programadores e empresas a buscarem novas e inovadoras formas de resolver nossos problemas, dos básicos aos complexos.

E você? De que forma usaria a tecnologia para melhorar a vida das pessoas?

Razão 10

Todo mundo é capaz de aprender a programar. Então por que não?

Qualquer pessoa, de qualquer idade, é capaz de aprender a codificar. Vale para quem quer se tornar um profissional de TI, para quem busca se valer de recursos básicos de programação para enriquecer a atuação profissional em outra área, ou para quem quer empreender.

O primeiro passo para se começar é pesquisar que linguagem de programação atende melhor aos seus objetivos. Se for profissional, talvez seja importante estudar uma das mais utilizadas na transformação digital e, portanto, mais requeridas pelo mercado de trabalho.

Depois, é importante definir se você precisa de tutoria presencial ou é capaz de estudar sozinho online, por exemplo. 

Cursos gratuitos de programação

E aí, se animou? Agora é só escolher um dos nossos cursos gratuitos e começar a sua jornada na programação. Para facilitar, já separamos alguns deles aqui: